Subscribe Now
Trending News
Sexworkers

Évora Witch: “Sinto que posso explorar minhas várias faces”

Évora Witch
Fotógrafa: @fotografiasmaya

Évora Witch é a independência do ser no mais puro êxtase, seus conteúdos não esbanjam apenas atitudes, mas aquela autoestima que é recheaao de sabor e profundidade. Viver intensamente é seu lema, algo percorre toda sua pele com ares divinos.

Batemos um papo incrível sobre como ser sexworker mudou sua mente para enxergar a beleza nos mínimos detalhes.

Évora Witch

Évora Witch
Évora Witch, Fotógrafa: @fotografiasmaya

Para começar nosso bate-papo, conte-me como surgiu a ideia de trabalhar com conteúdo adulto e quais foram os caminhos percorridos até o momento?

Bom, desde muito jovem eu percebia meu interesse pelo exibicionismo, mesmo sem saber da existência do termo ou o que ele significava, com o passar dos anos, a adolescência e vida sexual surgindo notei que me exibir ou imaginar que estava sendo observada me deixava excitada, passei a usar a internet para isso, inicialmente sem finalidade lucrativa, até que durante um relacionamento, meu parceiro notou essa minha necessidade de exibição, e sugeriu que eu iniciasse no camming.

Na época estava afastada da minha profissão por causa de uma depressão e a sugestão dele me pareceu bem interessante, iria fazer o que eu já fazia e ganhar por isso. Fiz algumas pesquisas e me interessei por alguns perfis de meninas brasileiras e todas elas tinham em comum era Camera Prive, foi aí que decidi fazer meu cadastro e começar a trabalhar lá também em 2019, onde estou até hoje.

Existe pontos significativos que mudaram na sua vida desde que assumiu esse trabalho?

Sim, principalmente em relação à minha autoestima e aceitação. Quando decidi trabalhar como Cam Girl estava afastada do meu trabalho devido um quadro de depressão e ansiedade agravado por uma série de assédios sofridos na empresa.

O camming me mostrou uma personalidade minha que eu não conhecia, mesmo sempre me destacando profissionalmente, sempre me sentia inferior e subjugada principalmente por homens nas empresas que trabalhei, e essa nova realidade me colocou em uma posição contrária a tudo que já havia visto, me respeitei mais como profissional e principalmente passei a ver o meu corpo de outra forma, mais amável e empoderada.

Évora Witch
Évora Witch/ Fotógrafa: @fotografiasmaya

Como as ideias surgem na sua mente para criar seus conteúdos?

Tento produzir conteúdos diferentes do que costumo ver por aí, trago bastante inspiração do universo psicodélico e burlesco, que são paixões minhas desde a infância, consumo bastante música eletrônica experimental, principalmente dark e trago essas vertentes como inspiração.

Tento criar meu conteúdo de forma orgânica e educativa, abordando assuntos como antiproibicionismo e autogestão do prazer. Valorizo a liberdade de expressão como arte.

Quais sensações de trabalhar com conteúdo adulto provocam em sua essência?

Liberdade e confiança, acredito que sejam as duas sensações que se destacam, mas junto delas me sinto mais confiante, sinto que posso explorar minhas várias faces e isso me faz sentir realizada.

Évora Witch
Fotógrafa: @fotografiasmaya

O que é sensualidade para você?

A sensualidade do meu ponto de vista, é a expressão do corpo sem medo ou pudor. Uma pessoa que está livre do medo, do julgamento ou da vergonha consegue ser sensual da forma mais genuína que existe, seja através de um olhar ou de um super nudes.

O que lhe faz suspirar?

Tanta coisa ahahahah, mas o que todas têm em comum é o poder de despertar todos os meus sentidos ao mesmo tempo, seja uma música, aquele momento no show que você tanto queria, um pôr do sol com Beck e sua melhor amiga, mas todos vão despertar na minha memória sensações com sabor, cheiro, toque, som.

Costumo dizer que eu sou uma experiência sensorial, e são coisas assim que me fazem suspirar.

Évora Witch/Fotógrafa: @fotografiasmaya

O que desperta mais provocações em você, erotismo ou pornografia?

Erotismo, com toda certeza. Acho a pornografia enfadonha e não é suficiente para mim.

Ser exibicionista e produzir conteúdo adulto pode ser considerado uma forma de arte para você?

Sim, arte como forma de expressão do meu eu, acredito que até chega ser uma forma de expressão política e educativa se usada corretamente.

Évora Witch
Fotógrafa: @fotografiasmaya

O que as pessoas podem encontrar em seu conteúdo?

Psicodelia, antiproibicionismo e muita safadeza.

Aposto que você deve ter sofrido muitos preconceitos, como você lida com isso e o que acredita que precisa mudar?

Sofri e sofro, como eu lido é bem relativo, existem dias e dias. A maioria das vezes eu tento ignorar, entender que existem milhares de pessoas e mentes, educações e contextos e que eu não posso esperar sempre o melhor das pessoas.

Algumas vezes não estou no meu melhor dia e me sinto afetada, desmotivada e aí, quando esse momento chega eu tento usar ele todo, sentir tudo, refletir sobre o que me afetou e como posso trabalhar isso para que não me afete novamente. Me permito sentir tudo, para depois retomar a minha atividade.

E para mudar esse cenário, apenas educação, o básico, respeito e empatia.

Fotógrafa: @fotografiasmaya

Qual é sua ligação com seus seguidores? Eles são atenciosos?

Adoro meus seguidores, como tenho um perfil bem característico, antiproibicionista, maconheira, meu público é muito parecido comigo, compartilhamos dos mesmos gostos na maioria das vezes.

Inclusive administro uma página (@kushgirlsbr) com outra amiga camgirl, a Blue e lá a gente compartilha justamente isso, um espaço para gostosas maconheiras, nosso clã de camgirls.

O que você não suporta presenciar trabalhando nesse meio?

Hipocrisia, cuspir no prato que comeu e principalmente tentar diminuir outra colega de trabalho, estamos no mesmo barco e somos muito mais fortes unidas.

Fotógrafa: @fotografiasmaya

Aposto que no meio você deve conhecer muita gente legal. Quem são suas inspirações?

Poxa são tantas, mas tem muita menina BR que eu acompanho desde o primeiro dia que decidi ser camgirl e me inspiro bastante nelas, a Blue Fetiche, Candy Neon, Cristina Privê, Ágata Kill, A Verônica, Juliana Viegas e a Gold, são meninas que acompanho diariamente e com toda certeza fazem parte da construção do meu trabalho.

E fora do país eu me inspiro muito na Vaxe Ashley e na Daizha Morgann.

O que gosta de fazer nas horas vagas?

Fumar um e ficar com minhas cachorras.

Fotógrafa: @fotografiasmaya

Uma música que transpira tesão em sua vida?

Zero – Canção de Liniker e os Caramelows

Qual dica você daria para alguém que pretende ser sexworker?

Pesquise muito, para poder trabalhar em ambientes seguros, tente conversar com outras meninas que já estão no ramo e acredite no seu potencial, alguns dias são difíceis, mas não são para sempre.

Fotógrafa: @fotografiasmaya

Chegou a hora! Abra seu coração e deixe um recado para nossos leitores e seus fãs.

Ahhhh, meus diabinhos!! Eu espero que essa nossa conversa possa nos aproximar mais, permitir que vocês conheçam uma versão minha ainda não vista e que de alguma forma isso desperte em vocês algo novo, que possa ser explorado.

Novas conexões, novas experiências e principalmente liberdade para se expressar, assim como eu encontrei no universo camming.

Gostou do post? Conte nos comentários o que você deseja ver no Suspiro e não se esqueça de nos seguir nas redes sociais: 

Deixe seu comentário

Posts relacionados